Blog

GESTÃO DE RISCOS - IMPACTOS DOS RISCOS EMPRESARIAIS

Gestão de Riscos - Impactos dos Riscos Empresariais

Neste post explicaremos o que são os Riscos Empresariais e de que forma você pode mitigá-los na sua organização, apresentando a metodologia de Gestão de Riscos e como deve ser executado seu processo de implementação.

O que são Riscos Empresariais?

Os Riscos Empresariais se referem as situações incertas, tanto internas como externas, às quais sua organização está suscetível e, caso venham a se concretizar, podem impactar no desempenho da organização, ou seja, são todos os eventos que ocorrem e que estão fora do planejado.

Como exemplo, imagine uma empresa que em sua atividade realiza transações em moeda estrangeira e que não possui nenhum instrumento de proteção (hedge) contra a volatilidade das cotações das moedas, esta empresa estará exposta ao risco de que oscilações inesperadas impactem em riscos financeiros significativos.

Neste contexto é que surge o conceito de Gestão de Riscos (Risk Management), processo responsável pelo gerenciamento dos possíveis eventos e incertezas inerentes à sua organização.

O que é Gerenciamento de Riscos?

O Gerenciamento de Riscos é uma metodologia composta por uma série de atividades coordenadas e  alinhadas as estratégias e objetivos das organizações, sendo uma importante ferramenta para a tomada de decisão de todas as partes interessadas (stakeholders).

Em razão de sua importância e também aos benefícios gerados às organizações de todos os tipos e tamanhos, encontramos diferentes metodologias de implementação de Gestão de Riscos, como por exemplo, Enterprise Risk Management Framework (ERM) criado pelo Committee of Sponsoring Organizations of the Treadway Commission (COSO), a norma ISO 31000, entre outras não tão famosas.

Portanto, diferente do que se pode pensar, é importante e fundamental entender que a implantação de Gerenciamento de Riscos não é mais um trabalho a ser executado dentre tantos outros processos, mas sim um investimento de recursos que irão trazer no curto e longo prazo diversos benefícios, como podemos enxergar abaixo:

1. Entender os riscos e seus potenciais impactos para o alcance de objetivos institucionais.

2. Prevenção dos riscos identificados e criação de planos de ações para os mesmos.

3. Aumento de eficiência.

4. Contribuir no estabelecimento de prioridades.

5. Adequar-se aos requisitos regulatórios.

No entanto, estes resultados somente serão alcançáveis com a correta identificação dos riscos aos negócios da organização e com o seu adequado tratamento, portanto, apresentaremos a seguir as principais etapas do processo de Gestão de Riscos.

Etapas para Execução da Gestão de Riscos:
 

  1. Identificação de Cenário: Identificar o cenário em que sua organização está inserida, buscando compreender as particularidades tanto internas (da própria organização, como missão, visão e metas) como externas (particularidades e desafios nas interações com os stakeholder);
     
  2. Identificação dos Riscos: Identificar as ameaças às quais sua organização está suscetível, no ambiente em que está inserida, buscando dessa forma entender por completo quais são os riscos que podem impactar seu negócio.
     
  3. Análise dos Riscos: Análise e mensuração dos riscos identificados, principalmente quanto a probabilidade e impacto.
     
  4. Avaliação de Riscos: Após os riscos inerentes a sua organização serem analisados e mensurados, é importante classificá-los quanto ao seu grau de risco, dando prioridade para mitigação de riscos com maior grau de impacto e probabilidade.
     
  5. Tratamento dos Riscos: Avaliado os níveis de riscos, o ideal é mapear planos de respostas para os riscos, tendo em mente e avaliando também o custo-benefício da implementação destas medidas. As melhores práticas também remetem a elaboração de um plano de ação completo, inclusive com prazo para implementação destas medidas.
     
  6. Comunicação: Nesta etapa cabe identificar as partes interessadas e envolvidas em cada risco identificado, dessa forma, disseminando o processo de Gestão de Risco, fazendo com que o mesmo passe a fazer parte da cultura da organização.
     
  7. Monitoramento e Melhoria Contínua: Etapa de acompanhamento e verificação da Gestão de Riscos como um todo, sendo a etapa final e ao mesmo tempo cíclica do Gerenciamento de Riscos.


Em razão da natureza e abrangência global da Gestão de Riscos, o ideal é que a mesma contemple todos os níveis da organização, devendo ainda ser executada, de preferência, de forma participativa por todos os envolvidos.

É crucial que haja a participação das pessoas que mais interagem com o processo a ser avaliado, uma vez que, são eles quem, de fato, conhecem os riscos e conseguirão identificar métodos de mitigação.

Por fim, o sucesso de um projeto de Gerenciamento de Risco, depende do envolvimento e patrocínio da Alta Administração, assim como, de um ambiente de Governança Corporativa implementado de forma eficaz.

Caso tenha restado alguma dúvida sobre o assunto, entre em contato conosco, estamos dispostos a lhe ajudar!

 

Escrito por:

Bradlei Ricardo Moretti

Maicon Gabriel Bitencourtt

  • Compartilhar

Artigos relacionados